Frases.Tube

Arcise Câmara

Humanização
Vou fazer um breve relato da minha saga com animais. Fui mordida várias vezes por cachorros, aqueles em que o dono diz: pode entrar eles não mordem e crau, mais uma mordida, mais injeções, mais nervosismo, mais estresse. E mais pânicos desses animais. Fora que meu irmão foi atacado por um cachorro de rua e muito maltratado pelo bicho. Então meu pânico e medo estavam enraizados na minha mente, no meu corpo e na minha alma, porque não no meu coração. Nossas energias não se cruzavam. Então em 09/07/2011 me aparece dentro do carro um serzinho de 2 meses fraquinha, com fome e sede. Como ela podia está ali Procurei pelo dono, busquei alternativas para me livrar dela, mas eu me apaixonei, motivada pela vontade alheia da mana de ficar com ela. Vencida, ganhei uma filhotinha felina e a gata mais sapeca do pedaço. Batizada inicialmente de Tiffany e Co batizada de Tiffany Vivi, vivi de sobrevivi, sim porque a bichinha, sapeca e levada sobreviveu a uma altura de um prédio de 15 andares. Isso porque a sem juízo pinotou na rede de proteção que cedeu. Sem sequelas Graças à Deus, São Francisco e São Lázaro.
Queria compartilhar que um animalzinho humaniza a gente de uma forma incrível, estou dez vezes menos estressada, dez vezes mais paciente, porque bicho é assim ou você desenvolve paciência ou vira serial killer. E como ela colore a sua vida, fiz amigos e acho incrível como as pessoas que amam animais são especiais. Seres evoluídos digamos assim.

Cobranças
Eu tinha necessidade de todos ao meu redor, eu dava respostas brutas, não sabia calar, não acreditava no “dê tempo ao tempo”, precisava vomitar minha ira imediatamente, era da teoria do bateu levou.
Acumulei decepções sendo assim, convivi com seres humanos incríveis, mas que tinham suas falhas assim como eu e você, eu gritava com todos, calava só quando já era tarde demais, eu não compreendia que esse comportamento me afundaria.
As experiências que mais me marcaram quer boas ou ruins nunca esqueci e por isso não esquecerei nunca meu comportamento irritadiço, que não apoiava o menor erros, sem beijos ou elogios, sem encorajamento e com muitas pedras na mão.
Tornei me cheia de fobia, vivia em pânico, com raiva, sentindo me rejeitada, discriminando Deus e o Mundo, eu era debochada, tinha agressividade nas palavras, ofendia com facilidade, humilhava por prazer, traía quem mais me amava, o meu defeito era um tamanho complexo de inferioridade.
Não conseguia entender a princípio, perdia a sobriedade, parecia duas pessoas completamente diferentes, também era generosa, abraçava boas causas, amava as amigas de infância. Ué será que eu era bipolar
O processo é complexo, a gente precisa se aceitar com todos os defeitos, até mesmo os mais cinzas, precisamos viver sem a superioridade, precisamos aprender a viver dignamente, chamando cada defeito pelo nome e combatendo o, mas não é fácil.
Os traumas fazem parte, você não é assim à toa, você se transformou nisso através dos atritos, das relações ruins, do não esforço em ser melhor, é difícil encontrar alguém que se sinta bem consigo mesma, alguém que não sofre de solidão, alguém rara e com radicalismo de amor.
Resolvi me acolher, apostar nas falhas, respeitar meus limites, exercer a nobreza de me aceitar como sou, não como comodismo, mas como autoconhecimento.
Deixei de Cobrar coisas de mim mesma que eu não poderia dar, comecei a ter manias de controle da segurança da casa, mania de lavar as mãos, mania de ligar para minha mãe todos os dias, manias insignificantes, mas que me perturbavam.
Tinha ideia fixa em mudar, em controlar as emoções, em superar a irritabilidade, estava cheia de segundas intenções em transformar atos ruins em atos bons, estava presa emocionalmente a vontade de mudar e isso me enlouquecia.
Comecei a ter medo de perder quem eu amava e passei a trata los melhor com medo do remorso, vivia com sentimento de culpa, eu me sentia responsável por tudo até pelas crises financeiras na minha família, eu estava desequilibrada.
Atravesseis as crises sem amparo, estava me achando certa, educando a minha mente e treinando minha boa vontade adormecida, porém percebi que estava agindo totalmente errada e os outros estavam tirando vantagem da minha mania de perfeição.
Fiquei Insegurança, ansiosas e com medo de tudo, vivi desentendimentos ilógicos comigo mesma, eu precisava me proteger e eliminar as preocupações débeis de que tenho que ser 100%. Minha intolerância com meus defeitos era insana.
Passei a admirar as flores, a observar o caminho, a não me perturbar com as quedas e sim com o recomeço.

Raiva, Frustração, Impaciente, Resmungos, Negação, Ódio, Dúvida, Decepção, Tristeza, Dor Emocional e Arrependimento. Diferenças éticas, religiosas e comportamentais. Talvez ele me amasse, naquele momento, no auge das emoções.
Seria um amor definitivo E o amor que eu sentia seria definitivo
Teríamos sido os dois realmente feitos um para o outro
Ou tudo aquilo não seria apenas uma paixão que desapareceria com o tempo
Já está mais do que na hora da gente entender que nem tudo acontece do jeito e na hora que queremos que aconteça. Nem todo mundo, nem a vida, devem se curvar e se matar para fazer as nossas vontades, a nossa revelia. Mas muitas vezes falta esforço, falta vontade, falta persistência, faltam motivos.
Nós sabemos muito bem que é fácil acusar e destruir, mas é praticamente impossível a gente se reconstruir depois de tantos sentimentos turbulentos, mesmo que eu me julgue andando no caminho certo.
O que era mais comum, o amor, a bondade, o companheirismo ou um clima de intensa rivalidade Sentia me querida, amada, amparada Ou me sentia como se não houvesse ninguém que pudesse ficar ao meu lado. Ficava feliz ao voltar pra casa, reunida em volta da família Ou era um fardo, a sensação, a nítida sensação era que ambos apenas preocupavam se apenas com o seu lado, percebendo a conotação egoísta ou individualizada de cada um. Alguém iniciou este ciclo e o outro não quis se doar sozinho, formaram se a equipe do "meu ego". E tudo se desfez.

Uma personalidade parcial
Aprendi a conviver bem, a respeitar os outros, a não me levar pelas aparências. Eu não usava aliança no dedo, apesar de me sentir casada por inteira. Ali ou acolá a inveja rondava, eram alfinetadas de todas as ordens de quem acreditava que eu fingia felicidade.
Segundo os plantonistas eu precisava de um pouco de vida social e ainda de tratamento psicológico por ter conquistado muitas coisas com facilidade, na opinião de muitos o meu jeito caloroso era apenas artificial.
O mundo é maldoso, julgador, preconceituoso, nem sempre eu dava de ombros, muitas vezes me incomodava saber que na opinião das pessoas eu ter casado com um executivo lindo de morrer não estava ao meu alcance, inalcançável ainda mais era ele me amar e sermos felizes.
A vida tomou os rumos de tudo o tempo todo, sofri por amor como qualquer pessoa, escolhi errado, até que me senti elogiada e amada, eu sei que é perigoso negligenciar um casamento com sucesso financeiro e posição social, mas na minha opinião amar e ser amada é sempre fácil.
Sou radicalmente contra o aborto, ele também, optamos por não ter filhos, ainda sou fértil biologicamente, mas minha cabeça entrou na menopausa há pelo menos cinco anos.
Choramos juntos quando a nossa relação precisa aliviar a tensão, não somos adeptos ao ciúme e podem falar que é falta de amor que não estamos nem aí. As mais variadas situações pelas quais passamos conseguimos resolver de forma que ambos ficássemos satisfeitos
Estou aprendendo alguma coisa todos os dias, apoio, deixar pra lá o que os outros dizem, acalmar o coração, declarações mútuas de amor romântico, fraterno, familiar, individual, humanitário
Ele me conheceu e gostou de mim assim, ele sobreviveu aos meus defeitos, eu era dura em relação a mim mesma, ele me fez entender a preciosidade que era o meu ser como um todo. Estar com ele é evaporar as horas.
Chego em casa com um ou outro presentinho, é fácil agradar quem te trata bem todos os dias, ele nunca teve vergonha de mim por estar acima do peso, eu nunca duvidei da minha capacidade de amar, ele sempre enxergou os seus defeitos e não os meus.
Ele é predominantemente mais bonito, mais educado, charmoso, boa conversa. Ele é sempre meu ponto de partida para qualquer debate, ele não se importa se eu falo alto, eu jamais desistirei dele.
O amor é distorcido, os ensinamentos que nos passam é que eu preciso merecer, falta autoconfiança de que as coisas vão dar certo, ao seu lado nunca tive a sensação de vazio que me atormentava em outras relações.
Apesar da decepção rotineira de ambos, continuamos a nos amar infinitamente, apesar dos erros somos parcialmente em favor do outro, a afinidade que nos une é eterna.
Não somos de compras, achamos dignos viver a vida sem excessos, não hesitamos em apontar os erros para que a nossa relação não venha a ser um faz de conta, onde eu finjo que não me atinjo pelas imperfeições do outro, ou ainda, que finjo ser feliz.
Nosso amar não se trata apenas de uma questão emocional, é escolha, é decisão, é entrar na estrada para nunca mais voltar, é não conseguir se libertar por puro sentimento agradável. Não seguimos posturas defensivas nem a tendência de se justificar culpando o outro, acho que nosso amor é um progresso científico.
Alguns têm pena de mim, tentam me maltratar com discurso de deslealdade, que a reação dele em ser maravilhoso é fruto de infidelidade, radicalizam que duas pessoas não possam se amar de verdade.
Hoje preciso de coisas que não precisava antes, hoje preciso de bens não compráveis, preciso de planos, de estar aberta em mim mesma, de não ser egoísta. A rotina me equilibra, as fortes emoções me encantam, tenho vontade de ser boa para o mundo porque o mundo foi bom para mim, não que tudo seja perfeito, mas conseguimos controlar todos os obstáculos.

Em 10 de março eu fiz um e mail e encaminhei as amigas mais chegadas e o título do e mail foi: "2012, acaba logo", nesse e mail eu relatava a dificuldade de enfrentar 4 episódios tristes. Foram 4 situações que tiraram a minha energia, alegria e paz de espírito, adoeci emocionalmente, fiquei sem forças. Ao mesmo tempo me fingia de forte, colocava um sorriso no rosto de "não é nada demais" ou como no outro episódio que eu chorei por dentro para passar tranquilidade e força a quem estava ao meu redor. Eu fiquei arrebentada física e emocionalmente, os poucos amigos souberam de tudo, das histórias que pareciam surreais, vindas em cascata, uma atrás da outra. Naquele dia eu já tinha desistido deste ano, um ano par, historicamente feliz. É lógico que levei um monte de puxão de orelha porque minhas amigas não passam a mão na minha cabeça e internalizei que o ano mal havia começado para tanto pessimismo. Porém a minha filosofia de vida do momento era "Afasta de mim esse cálice". O tempo passou e mais fatos negativos continuaram a acontecer e mesmo que eu aceitasse o sofrimento como vontade divina era tudo sem entendimento de propósito, a única coisa que me consolava era a fodofilosofia que consistia em tentar enxergar que apesar de tudo tinham pessoas em situações muito piores do que a minha. Eu me imaginava na festa de fim de ano, o esperado dia 31/12/2012, à meia noite, com uma taça de espumante na mão, ao som de fogos de artifícios e eu dizendo em alto e bom som "2012, já vais tarde!". Depois vieram mais frustrações, pequenos percalços multiplicados pela minha sensibilidade e por fim o falecimento do meu amado vô João Assis que estava super bem na sexta até as 18h enganando todo mundo, a 'melhora da morte'. O que mais me chamou a atenção foi o testemunho de vida de pessoas tão próximas não parentes, de uma igreja lotada com uma missa particular e de corpo presente. O meu avô era um evangelizador nato, um homem de muita fé, um Mariano de carteirinha, talvez a única herança genética recebida por mim tenha sido a arte de falar só. Tem o ensinamento do terço, do terço não, do Rosário. Tem o ensinamento de rezar antes de comer, o meu avô era incapaz de botar 1 dedo de pão na boca sem agradecer. Eu por várias vezes pegava "no olho" quando eu insistia em tratar meu avô como velho, eu dizia: paizinho, lembra de mim e ele me dava a ficha completa das minhas peraltices de menina até os dias atuais, ou quando eu falava ALTO, quase GRITANDO, e ele dizia, fala baixo, eu não estou surdo, ou quando eu insistia em ler algo e ele dizia: já li, diga se de passagem que antes da cegueira irreversível em um olho ele enxergava mais longe e melhor do que eu. Quando eu era adolescente eu tinha um grande orgulho do vovô, o orgulho dele pedalar de bicicleta pra lá e pra cá. No hospital era elogiado por não ter ruga, uma enfermeira brincando ou não, perguntou se o papai era pai dele, porque o meu pai tem mais rugas que o meu avô. Aos 90 anos, meu avô veio com uma novidade, queria casar, viúvo por duas vezes, queria subir ao altar e não queria menina nova não, queria alguém da idade dele, poderia ser 5 anos a mais o 5 anos a menos, mamãe alcoviteira como sempre já arrumou a vizinha de prédio, chegaram até a conversar no dia do meu aniversário mas não passou disso. O meu avô roubava cena onde ia, e assim foi no dia do meu ex casamento em que ele foi extremamente elogiado pelo padre como exemplo a ser seguido. No caixão estava de terno, com a bata de Ministro da Eucaristia, a medalhinha do Apostolado da Oração e o terço, fisionomia pomposa de homem elegante e parecia estar dormindo.
O meu cálice aquele que eu estava rejeitando, hoje teve um propósito, diante de mais uma dor eu percebi o quanto me curei de mágoas e ressentimentos, diante de mais uma dor nocauteei meu orgulho, pisoteei no meu ego e esmurrei a arrogância. Diante de mais uma dor eu percebi que apesar de sangrando, meu coração estava puro e contraditoriamente limpo. Diante de mais uma dor senti o amor do meu avô por mim, esse amor que ficará para sempre, esse amor que hoje machuca com a saudade, com o choro, com a dor de cabeça, mas que amanhã será apenas amor fortalecido de boas lembranças, esse amor que não tem botão de on e off, que vai eternizar, que vai sempre existir no meu coração. Paizinho eu sempre vou te amar.

Algo ou alguém lhe havia roubado a minha alegria
As coisas vão ficando mais perceptíveis, não entendia que estava doente, eu não entendia a preguiça em lavar os pratos, ou o sentimento que eu tinha que o meu amor estava sendo um péssimo marido.
Eu não entendia que estava vivendo simplesmente por viver, que deixei de comer feijões, ervilhas e lentilhas que eu adorava, que a infelicidade tinha me contaminado.
Eu não entendia porque falei tanto em divórcio, porque inventava histórias tristes na minha cabeça, porque solidifiquei o coração com amarguras, para os outros eu estava apenas chamando a atenção.
Com o tempo perdi a admiração pelas pessoas e por mim mesma, alterei minha personalidade, deixei de falar de coisas interessantes e úteis, achava que as pessoas iam me ajudar ao invés de me julgar.
Tornei me calada não havia necessidade de tomar certas posições, não queria mais fazer tudo em casa, na verdade não queria fazer mais nada, a única motivação era a cama e o choro fácil.
Deixei de materializar meus sonhos, deixei de comer peixe, carne branca e vermelha não porque tinha virado vegetariana, mas porque meu apetite tinha ido embora.
Não me interessava trabalhar, o ambiente deprimente e competitivo não ajudava, as relações abusivas entre as chefias e os subordinados só prejudicavam minha saúde.
Ah, isto não são modos muita gente me falou ao me ver desgrenhada e com os cabelos brancos, outros me diziam que eu ainda me apoiava naquele acontecimento do passado.
Um pilar a menos nas minhas estruturas cada vez que o tempo passava, eu me separei, desperdicei o tempo, gastei energias com coisas negativas, senri me suja e desleal sem sair do casulo.
Pensei em homicídio antes mesmo do suicídio, queria matar alguém, culpar alguém, cortar as mãos do primeiro que me irritasse, poderia até ser alguém que eu amasse, mas não tivesse consciência disso.
Cortei com o sal, minha boca estava seca demais, eu estava desidratada demais para comer sal, até o brinco me incomodava, eu me lembrei da Melissa, a jovem que meu ex abandonara ao saber que estava grávida, ele tem um filho que nunca quis ver e preferiu ficar comigo, era triste demais saber que a minha felicidade foi em cima do sofrimento de alguém.
Descobri que algumas coisas eram ilusões, outras, tristezas profundas, invenções da mente, mas o médico foi categórico: D E P R E S S Ã O.