Frases.Tube

Ana Beatriz Figueiredo Mota

Eu agradeço à todas as pedras que estavam e estão presentes ao longo de meu caminho.
À algumas que me fizeram tropeçar e, muitas vezes, me ferir profundamente.
Outras que apenas estavam lá esperando que eu passasse por elas, almejando a queda e não contavam que houvesse, mais perspicazes que elas, desvios para o caminho correto.
Muitas das quais não valem sequer serem mencionadas, mas que também agradeço: àquelas pequeninas e inferiores pedrinhas que, às vezes, entram em nossos sapatos e provocam um pequeno corte. Mas são ponderáveis, são apenas “pedrinhas”.
Há! Agradeço às pedras gigantes, de caráter duvidoso, que muitas vezes num árduo e vão esforço tentavam se passar por flores. Mas eram medíocres e ignorantes o suficiente para acreditarem em seus próprios disfarces.
Agradeço à todas
Às pedras invejosas que desejam ter asas como os pássaros e por isso se sentem prazerosamente bem utilizadas nos estilingues, alvejando e destruindo.
Às pedras maldosas que entram em nossas vidas sorrateiramente nas solas de nossos sapatos para causar incômodo e tomarem nosso precioso tempo tentando removê las.
Às pedras preciosas e pontiagudas que pensam ter valor porque, aparentemente, brilham mais que as outras; no entanto, não têm valor senão adornar seres tão enfadonhos quanto elas. São apenas objetos de consolo para fúteis. Quando esbarram umas nas outras e lascam se um milímetro podem cortar e ferir profundamente quem as carregou longo tempo.
Às pedras formadas de torrões de barro, que se consideram humildes e bondosas por enfatizarem que nenhum mal podem provocar à alguém, mas que, desesperadamente, se tornam vorazes e nas tempestades se fazem enxurradas que levam tudo, levam vidas, levam sonhos e levam até mesmo as outras pedras.
Agradeço à estas também, que todos os dias desejam, desesperadamente, pela chuva, para transformarem se. Mal sabem que a mais triste das tempestades vem de seus próprios olhos, pelas lágrimas sentidas, por desejarem ser tão gloriosas e percebidas, mas terem a certeza que são e sempre serão apenas torrões de barro.

“As coisas mais mesquinhas enchem de orgulho os indivíduos baixos.”
William Shakespeare
Considero Shakespeare um notável e impressionante pensador. Não só transformou mentes, encheu corações, mas fez transbordar reticências naqueles que se diziam, ou que ainda se dizem, “nobres”.
Sociedade para ele era símbolo do que poderia ser mudado de acordo com as reações humanas, e evidentemente foi feito assim, mas mudaram na para pior.
A frase acima expressa com veemência o que não pode ser dito por muitos, nos dias atuais, à pessoas que nos circundam, expelindo suas tristes e pesadas frustrações. Conseguem com isso tornar nossos dias, até então normais, tão entediantes quanto suas vidas e seus pensamentos negativos e mesquinhos.
Não medem esforços para buscar mais peso às suas mazelas mentais: fazem intrigas, arrendam para suas tristes almas injúrias e mentiras, projetam enredos enfadonhos e fantasiosos sobre outros que, muitas vezes, estão apenas cuidando de seus afazeres e seguindo suas vidas. Enfim, se degradam, dia após dia, em pensamentos soberbos, vulgares e doentios.
Não seria ainda pior se algumas destas não provassem do pseudocálice do poder e da arrogância. Menosprezam as pessoas e se consideram superiores, muitas vezes, porque consideram que seus pobres e bastardos “títulos” ou “brasões” ( se é que isso ainda existe nos dias atuais) lhe conferem poderes, autoridade e ímpetos divinos.
Seguem seus maléficos e venenosos caminhos por algum tempo, prejudicando pessoas ingênuas, passando por cima de algumas que consideram “pequenas” e “boas demais para reagirem, mas não imaginam que ainda possam existir aqueles com alma limpa e revolucionária, dispostas a lutar para que suas vidas e as daqueles ao seu redor não sejam maculadas por tanta mesquinhez e injustiça.
Ainda há sim pessoas com coragem suficiente para segurarem a lança dos que se dizem “poderosos”, sem medo de hierarquias e soberanias diversas, que enfrentam chantagens de toda e qualquer espécie, que não se importam de lutar, de cair algumas vezes, mas nunca sujarem suas almas com os resquícios “imundos” dos “grandes senhores”.
Se todos os guerreiros se unissem, pelo menos em coração e espírito, tenho certeza que o mundo seria realmente melhor. Mas ainda falta descobrir, dentro de nós mesmos, onde mora esse espírito que tem o poder de mover gigantes estruturas e de lutar com a força do amor e da igualdade humana.
Quem sabe se abandonássemos certos “pré conceitos”, se nos eximíssemos de valores arcaicos e pobres, se confiássemos mais em nossa força interior e no único e verdadeiro poder do mundo: a fé ao amor de Deus!
Vamos lutar sempre, sem medo ou anseios, contra aqueles que lançam “maus” sentimentos e pensamentos sobre nossas vidas, contra aqueles que tentam escurecer nossos maravilhosos dias, contra todo e qualquer espírito de inveja, ambição e humilhação desmedidas.

Ao meu querido professor
Eu confesso – Poucas são as pessoas que gostam de mim – pois não sei fingir.
Tenho uma alma revolucionária, ao extremo, e me provocam agonia e pesar tantas manifestações desumanas e miseráveis.
Ultimamente tenho pensado a respeito disso e cheguei a algumas conclusões.
Antes de tudo, devo ponderar sobre a facilidade e destreza que certas pessoas encontram em serem mesquinhas, pobres de espírito, baixas moralmente e desfavorecidas em intelecto. E isto não é marca de classes menos abastadas; pelo contrário, vejo cada vez mais pessoas que se dizem “endinheiradas” cometerem barbaridades contra as condutas da boa educação.
Exatamente isto, talvez mesmo por se taxarem “endinheiradas”. Possuem apenas dinheiro, folhas ao vento, mas sem nenhum valor espiritual, sem qualquer civilidade social ou condições normais e saudáveis de raciocínio .
E, realmente pensando sobre isso, sentindo me envolvida por um mundo caótico e sem freios de cidadania, me surpreendi com a existência, bem nítida, de pessoas raríssimas, que diante de tanta falta de educação, indignidade e lixos humanos, conseguem se fazer “luzes” aos olhos alheios. Conheço poucas pessoas assim, mas tenho orgulho de suas existências presentes e coexistentes à minha vida.
Uma dessas pessoas O meu professor de literatura. Seu nome pode ser dito, sem receios: Osmar Oliva.
Não estou escrevendo sobre o assunto para alçar elogios de ordem prosaica ao nobre docente. Quero apenas, diante de tantas desfavoráveis experiências humanas, citar apenas uma das poucas que pode ser digna de louvor.
Bem O professor e doutor Osmar Oliva é alguém que se atém a comentários pertinentes à sua disciplina, ao conhecimento científico de sua área e também de outras, e nunca à comentários extraclasse. Respeita nossos horários de início e término de aulas, mesmo que alguns necessitem sair mais cedo para conseguir condução, o que ele entende perfeitamente.
Mas o que me chama mais atenção nele é a maneira de ser humilde e voraz, simultaneamente, em seus discursos. É humilde ao apontar nossas falhas de maneira coesa e ética, é voraz em nunca atingir um desafeto com más palavras, antes com boas palavras aos que à ele parecem pertinentes. É exatamente isso que me encanta em sua fala.
O professor derrota verbalmente, com uma oralidade magnífica, os tons alheios de arrogância e desumanidade. Ele declara, de um modo não verbal, olhos de superioridade à ignorância que persuade os mesquinhos, e parece conseguir vê la ao longe, como algo que não quer atingir nunca, pois sabe que estas banalidades pertencem apenas aos tôlos.
Então, eu utilizo agora um grande clichê: “Quero ser como ele, quando eu crescer.”
Quero que minha alma atenha se acima das coisas mundanas, momentâneas e que coexista na delicadeza da nobre linguagem humana. Desejo mais afetos que inimigos e quando não puder tê los nessa ordem, desejo o silêncio, somente. O meu e o alheio.
Que eu esteja, sempre, acima das coisas e das pessoas pequenas. Que eu apenas sinta que passaram por mim, como o vento, por mais que o vento seja dotado de uma positividade enigmática. Apenas peço a Deus que me dê forças e coragem para não responder aos medíocres, que ocupam suas vidas e suas podres almas de tanta sordidez e futilidades, da vida alheia, da inveja ao mérito dos justos.
E por isso também que estou escrevendo. Por que parece tão fácil responder com grosserias à pessoas baixas e tão difícil assumir a nobreza de caráter de apenas uma, quando a encontramos em nossas vidas
Escrevo para dizer ao professor Osmar e às raras pessoas como ele que sinto orgulho de conhecê los, de tê los tão próximos, para que talvez eu consiga absorver e aprender coisas boas. Escrevo para que estas poucas pessoas possam ter a certeza de uma admiração verdadeira e saudável, porque são dotados de atitudes saudáveis e justas.
Escrevo para não perder meu tempo com pessoas ou coisas fúteis. Prefiro preencher minhas horas com palavras afetuosas e puras.
Neste semestre, essencialmente, entre tantas decepções e desprazeres, pude conhecer uma pessoa maravilhosa, que com certeza ofuscou e apagou muitas tristezas, muitas lágrimas, não só minhas, mas de muitos colegas Com a sutileza de suas considerações, com sua evocação e admiração machadiana, com seus apontamentos sobre a sedução da escrita, com sua postura lúcida e perfeita, com a aura do professor realista e espontâneo. Passei a amar a literatura, passei a ler Machado de Assis. Quero ter como exemplo pessoas excelentes e íntegras!_________________________________

A menininha mimada nunca foi fresquinha,
Atravessa qualquer parada, aprendeu a se virar sozinha.
Sozinha, assim, nem tanto.
Ela não vive sem amor, paixão, encanto
Tem dessas que viram patricinhas, outras guerreiras de primeira linha.
A bonequinha de porcelana revestiu se de aço,
Aprendeu a andar a ponta dos pés para depois andar nas pedras sem sapatos.
Mãos de princesa e alma de Joana Darc
Dedilhar piano nunca foi seu forte,
Diga isso aos seus pais, eles tiveram sorte!
Cansou de ser Rapunzel na torre coberta de flores,
Cansou de esperar pelo príncipe encantado,
Deixou de acreditar em amores
Bobos da côrte enfeitiçados.
Mas chorou por um monte desses, que depois se mostram sapos.
Príncipe mesmo só um Não exatamente príncipe.
Homem pra ela tem que ser plebeu, guerreiro, constante.
Daqueles que não saem fora por nenhum instante, seja qual for!
Chorou e ainda chora
Porque espera que mude o mundo
Liberdade é a palavra certa
Igualdade é o que espera.
Livre das barreiras que o preconceito revela,
Não gosta de muros, nunca gostou.
Não precisa de armas para tentar revolucionar.
Não gosta de flores, senão em seus botões, vivos e suntuosos.
Ramalhetes são desperdícios
Homens infiéis que os mandam para encobrir defeitos, mais ainda!
Deixou de ver a vida como um filme, cansou de esperar do nada!
A luta é a melhor maneira de se sentir amada, armada!
Mas ainda ama o som do mar,
Música alta, baladas constantes
Para quê drogas, se a vida é tão mais inebriante
A menininha dos laçinhos cor de rosa
Vestidinhos rendados
Sapatinhos de cristal
Mulher pra ser exato
Laços rosas nas caixas de presente,
Vestidos, ainda sim, mas em croquis e moldes,
Pq desenhar ainda é seu ponto forte!
Sapatinhos de cristal
O que eu falei sobre andar nas pedras
Sua nobreza não vem de impérios
Corre em suas minhas veias!!!
Faz parte da alma