Frases.Tube

Adriano Farias

ÉTICA E MORAL
Tão concomitantemente, podemos observar a evolução humana crescendo de forma alarmante no mundo atual. E com isso, é possível também constatar meios errôneos e condutas totalmente divergentes que podem acarretar em conflitos individuais e/ou grupos de uma sociedade, nação e principalmente universal. Sendo assim, precisamos a cada dia encontrar soluções significativas para nos adaptarmos a tamanha mudança de nossa contemporaneidade e no pós modernismo. Destarte, o ser humano precisa encontra o ser do “EU”, ou seja, a potência do existir como destacou "Michel Onfray, em seu manifesto hedonista. Além de desenvolver métodos eficazes de atribuir melhorias ética a priori e colocar em prática com a moral a posteriori.
Quando se fala de ética, estamos tratando de um prisma de paixões, emoções e sensações que podem persistir na mente do indivíduo como dilemas existenciais e mediante a isto; observamos o duelo entre esperança e temor. O que quero dizer com isso, é: Continuamente temos a esperança de auferir bons resultados a até mesmo, minimizar os custos e esforços com isso. De um lado, a esperança passa a ser um ganho de potência imensurável a partir de uma situação imaginada que é vantajosa, prazerosa, etc. De outro, temos o temor, que é justamente o inverso, ou seja, o indivíduo se apequena ainda mais diante de uma situação imaginada, diante de uma consequência nefasta que possa lhe acontecer. Por fim, muitas atitudes indignas e desonrosas que observamos acabam sendo vitória da esperança sobre o temor.
Seguindo estes pressupostos, dou lhe um exemplo que me emociono sempre ao assistir. Um fato que ocorreu no final de 2012, em Navarra, Espanha, e que chegou a tomar proporções extremamente significativas em sua divulgação. Em uma corrida de cross country, o queniano Abel Mutai, medalha de outro nos três mil metros com obstáculos em Londres, estava a pouca distância da linha de chegada e, confuso com a sinalização, parou para posar para fotos pensando que já havia cumprido a prova. Logo atrás vinha o outro corredor, o espanhol Iván Fernández Anaya. E o que ele fez Começou a gritar para o queniano ficar atento, mas este não entendia que não havia ainda cruzado a linha de chegada. O espanhol, então, o empurrou em direção à vitória.
Diante de tudo isso, a imprensa toda correu até o corredor espanhol, e um jornalista, perguntou: “Por que o senhor fez isso ”. O espanhol replicou: “Isso o que ”. Ele não havia entendido a pergunta. O jornalista insistiu: “Mas Por que o senhor fez isso Por que o senhor deixou o queniano ganhar ”. “Eu não o deixei ganhar. Ele ia ganhar”. Sendo sucinto, o jornalista disse que ele poderia ainda ter sido o vencedor, mas o espanhol ainda disse: “Mas qual seria o mérito da minha vitória, qual seria a honra do meu título se eu deixasse que ele perdesse ”. E ainda finalizou: “Se eu ganhasse desse jeito, o que ia falar para minha mãe ”.
Portanto, podemos nos sensibilizar com atos nobres e deveres que deveríamos ter sem nos aproveitar de situações que mesmo nos favorecendo, precisamos ter em mente, que isso pode afetar o outro. E devemos nos ajudar para podermos construir uma sociedade digna de respeito, admiração, amizade e parceria sem tirar vantagem no que não nos pertence.
Diante deste exemplo e complementações, me recordo de uma grande mensagem dita pelo Professor e Filósofo “Mario Sérgio Cortella” em resumo do verdadeiro significado de ética. Para Cortella:
Ética é o conjunto de valores e princípios que usamos para responder a três grandes questões da vida: (1) quero;(2) devo; (3) posso. Nem tudo que eu quero eu posso; nem tudo que eu posso eu devo; e nem tudo que eu devo eu quero. Você tem paz de espírito quando aquilo que você quer é ao mesmo tempo o que você pode e o que você deve.
Assim, a moral seria a práxis a posteriori da ética. Temos a ética a priori dos valores e costumes que são criados por uma família, sociedade e nação que entendem por correto e bom. Não obstante, a moral se baseia por tais princípios descritos na premissa e são totalmente embasados pelas Leis Constitucionais do Estado e dos Países que são unânimes em algumas regras estabelecidas no convívio e interesses universais.

O Gato Cheshire, em Alice no País das maravilhas. Em Lewis Caroll.
Alice ao se ver perdida no bosque, se encontra em uma encruzilhada com vários caminhos a sua volta. De imediato surge um gato preto, o gato Cheshire.
O gato surge em vários lugares próximo dela. Em momentos, mostrando sua calda, em outros metade de seu corpo, e em outro a sua face até se mostrar por completo.
O gato fala: Está perdida jovem criança
E ela o indaga:
Para onde esse caminho vai dar
Ele a responde: Depende, onde você deseja ir
Ela indecisa, e enigmática, fala que para ela tanto faz. Pois, qualquer caminho serve.
E o gato diz: Ora, se qualquer caminho serve, não importa saber para onde o mesmo vai dar.
Daí tiramos, o seguinte:
Para tudo nessa vida, devemos ter um planejamento respeitando a lei temporal. Descobrindo o que se deseja, buscará o que almejas a cada dia e num futuro próximo ou a longo prazo. Por mais que suas escolhas seja. montadas sistematicamente, não saber o que se quer, é está despreparado em suas decisões.
Ao se saber onde deve ir, você ganhará mais força e poder de escolha. Uma potência para superar todos os obstáculos a virem surgir a sua frente. Saiba para onde vai, e provavelmente, jamais se perderá nas incertezas da vida.
INVERSO:
As vezes precisamos nos jogarmos na aleatoriedade da vida, não sabendo o que acontecerá independente do quanto aja planejamento, e se assim o fizer, perderá tempo planejando ao invés de viver e buscar se auto descobrir. Mas em certas ocasiões, o melhor é escolher, planejar e saber para onde vai, onde pisará e o que se deseja.